segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Casa da Covilhã

Panorâmica da Cidade da Covilhã

A Casa da Covilhã, com sede na Rua do Benformoso (Intendente), em Lisboa, debate-se há vários anos com dificuldades de vária ordem, para se afirmar como um local de encontro dos Covilhanenses e gentes da Beira Baixa.
Muitas vezes interroguei-me, "uma cidade tão nobre, das mais importantes para o desenvolvimento da Cova da Beira, não terá gentes por cá com capacidades para manter uma casa que representasse com dignidade a região?". Via tantas outras "casas", de cidades e regiões menos importantes, a serem geridas com sucesso, desenvolvendo encontros e outras actividades, onde os conterrâneos podiam confraternizar uns com os outros.
Covilhã-vista Sul

               Entendendo também que "a vida não estava fácil" e se complicava cada vez mais, principalmente devido à constante degradação da zona onde a Casa da Covilhã está localizada, levando a que muitos conterrâneos evitassem de ali se deslocar, para não serem confundidos com outros frequentadores, ou até serem vítimas de um encontro ocasional menos conveniente e perigoso.
               Penso que para se conseguir algo de positivo é necessário criar empatias entre os sócios, inovar, modernizar, e claro, muita boa vontade, trabalho e a chamada carolice, que nem todos estão dispostos a despender. É urgente utilizar as novas tecnologias, principalmente a internet, criar um endereço de email, para melhor contacto entre os sócios, um site ou blogue, para divulgar a casa, o serviço que está a ser efectuado e as suas actividades.   
               Existem em Lisboa, durante o ano, diversas festividades, como o Carnaval, Santo António, Festas da Cidade, Fim de Ano, até bailes semanais, em que a Casa da Covilhã teria oportunidade de proporcionar aos sócios, conterrâneos, e até lisboetas, momentos de sã camaradagem e convívio, rentabilizando assim a actividade e instalações.
               Com a nova direcção, desejo que as coisas tomem um rumo certo, duradouro, e nos permita, quando a oportunidade surgir, confraternizar com as gentes da nossa terra.

Segundavida

4 comentários:

Pó de Estrela disse...

É sempre bom termos uma referência da terra onde nascemos, no sítio onde acabámos por criar raízes, pois, por mais fundas que estas sejam, vão sempre beber às raízes de onde nascemos:)
Desejo as maiores felicidades.

aflores disse...

Bravo!

Mesmo não sendo natural dessa linda e maravilhosa zona, partilho e aplaudo estas referências.

Grande abraço

Tudo de bom.

aflores disse...

Hoje, dia 1 de Março, deixo aqui um ABRAÇO apertado.

Tudo de bom!

arte por um canudo 2 disse...

É sempre bom ter referências da terra onde nascemos, seja onde for. Aplaudo as iniciativas que possam favorecer e levar as pessoas a participar mais nestes eventos, onde se criam laços de amizade e companheirismo. Gr. abraço