sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Quinta da Regaleira em Sintra

Já visitei a Quinta da Regaleira umas quatro ou cinco vezes, mas não me canso de lá ir, pois aquele lugar fascina-me, não só pelo magnífico jardim, repleto de árvores e plantas luxuriantes das variadíssimas espécies, como também pelos edifícios trabalhados em pedra por refinados artífices e todo o mistério envolvente.


“A Quinta da Regaleira é uma mansão filosofal criada entre 1900 e 1912 pelo seu primeiro proprietário, António Augusto Carvalho Monteiro e pelo arquitecto e cenógrafo Luigi Manini, o mesmo do Palace Hotel do Buçaco. O palácio e a capela neomanuelinos apresentam – ao contrário do Buçaco, também neomanuelino, uma simbólica esotérica relativa à tradição mítica portuguesa e a algumas correntes iniciáticas.” Do livro, Portugal Misterioso.


Palácio da Regaleira, foto tirada através da vegetação envolvente.


No último fim-de-semana do mês de Agosto recebi a visita de familiares, que de tanto ouvirem (bem) falar da Quinta da Regaleira, estavam também desejosos de a visitar, por isso servi-lhes de umas espécie de improvisado guia.

Iniciámos a visita, em ascensão, através do Patamar dos Deuses, um corredor ladeado por 12 estátuas de divindades da mitologia Greco-Romana. Em seguida caminhámos junto do lago da Gruta do Labirinto, onde entrámos e tivemos que fazer uso de uma lanterna, que (surpreendentemente) propositadamente já trazia de casa e nos valeu para percorrer os túneis obscuros do labirinto, que ainda hoje não sei onde acabam.

Já no exterior, percorremos caminhos e jardins até ao Lago dos Cisnes, onde, em pedra sobre pedra, entrámos novamente em túneis escuros, que nos levavam a outros mais tenebrosos e por sua vez ao fundo de um poço, nas profundezas da terra, onde se encontrava gravada uma cruz templária o símbolo heráldico de Carvalho Monteiro e símbolo da harmonia e também da Cavalaria Espiritual na Maçonaria Escocesa.

Poço iniciático, foto tirada desde a base.


Poço iniciático, foto tirada de cima, vendo no fundo a Cruz dos Templários


A volta tinha sido feita ao contrário, em vez de se descer o poço iniciático até às profundezas da terra, subimos as escadarias em espiral, até ao céu. Aí saímos por uma espécie de porta secreta, divinamente e estrategicamente camuflada por um aglomerado de penedos.


Do céu voltámos novamente à terra, desta vez em sentido descendente, passando pela Torre da Regaleira, Gruta da Leda, até à Capela da Santíssima Trindade, toda ela talhada em estilo gótico-manuelino, com torres verticais a chegar a Deus e belíssimos vitrais no seu interior.


Pormenor da fachada principal da Capela da Santíssima Trindade


Por fim, terminámos a visita no Palácio, que é o edifício principal, todo ele de uma beleza fascinante, em cruzamento de vários estilos arquitectónicos, como o Manuelino, Renascentista, Romântico e Gótico.

No interior há a salientar os magníficos tectos em talha de madeira de carvalho e castanho, as belas pinturas na parede, a emblemática Sala da Caça, a Sala dos Reis, onde se encontram representados em pinturas, a grande maioria dos reis de Portugal e a surpreendente biblioteca, onde o chão é rodeado de espelho, dando a ideia arrepiante de um pavimento suspenso.

No final constatámos que tínhamos demorado 4 horas e que a visita em alguns locais tinha sido ligeira, por isso muita coisa tinha ficado ainda por apreciar. Descrever todos os passos da visita a este belo local encheria várias páginas deste meu espaço, pelo que só visto e...sentido.


Vale a pena consultar:


http://www.esquilo.com/jardins_regaleira.html
http://www.cm-sintra.pt/Artigo.aspx?ID=2907

http://atracoessintra.no.sapo.pt/partesquinta.htm#quinta




Segundavida


3 comentários:

Anônimo disse...

Que maravilha! A Quinta da Regaleira tenho que ir conhecer.
Tomar e os Templários já me fascinavam. Agradeço.
Edite. edite-dias@hotmail.com

anjo azul disse...

Por acaso vi em Horizontes da memória um pouco da Quinta da Regaleira e fiquei apaixonada, marquei logo na minhas próximas férias ir lá. Sempre é diferente do habitual e adora esse tipo de espaços. Obrigado pelos links, ajudam imenso.

Continuação

Dylan disse...

Concordo plenamente. Brutal!