terça-feira, 16 de setembro de 2008

Primeiro dia de escola

Com sete anos de idade, chegou a altura de ir para a 1ª classe, lembro-me perfeitamente do meu primeiro dia de escola, era franzino, baixo e tímido, fui com duas das minhas irmãs mais velhas, que também frequentavam a mesma escola. Recordo-me de me terem deixado no recinto dos rapazes e de as ver afastarem-se para o recinto das meninas, estávamos separados por um muro, fiquei ali no meio de todos os outros rapazes. Praticamente nunca saíra da quinta, estranhava ver tantos rostos desconhecidos e todo aquele movimento.


foto tirada daqui


Pouco depois, eu e os outros rapazes fomos encaminhados para o átrio, no interior da escola, onde fizeram a chamada, levando-nos pouco depois para a sala de aulas. Lembro-me perfeitamente de ver as carteiras em madeira todas em fila, com o tampo ligeiramente inclinado e banco corrido, para dois alunos, com dois tinteiros (um em cada ponta). Ao fundo tinha a secretária da professora e na parede, ao centro um crucifixo, e de cada lado, duas fotos, uma de Salazar e outra de Américo Tomás, os dois chefes do Governo. Também se encontravam mapas, do corpo humano, dos rios, serras e as linhas dos caminhos-de-ferro, de Portugal e ultramar. No canto do lado direito estava uma lareira, pois os Invernos da Serra eram muito rigorosos.

A escola, modelo Estado Novo, estava dividida ao meio, metade dos rapazes e outra metade das raparigas, mesmo o recinto do recreio estava dividido por um muro, que ninguém ousava ultrapassar. Nas traseiras, havia um alpendre (de cada lado), com telheiro, onde se encontravam as retretes e que serviam também para abrigo da chuva.

“Bom dia Senhora professora”, era assim que tínhamos que dizer, todos em pé, quando entrasse a “nossa senhora” Dona Arminda.

Foram momentos inesquecíveis, que estaria aqui a contar ainda por mais umas páginas.


Segundavida

7 comentários:

arte por um canudo 2 disse...

Eu ia dizer que parece a minha escola pela decoração mas elas eram todas iguais que quando se fala numa é como se fossem todas.Crucifico e os imperadores, um de cada lado.Havia pelo menos uma diferença de topo, o respeito pelos professores o que agora é duvidoso. É bom recordar. Um abraço.

Anônimo disse...

A tua idade pouco diferente será da minha (não te estou a chamar velho, porque o mais velho sou eu), mas esta descrição em pouco ou nada será diferente do meu primeiro dia de escola, à excepção da lareira (porque vivia na cidade) e das fotos dos chefes de estado. Na escola onde andei, essas fotos não existiam, pois estavam associadas (as escolas) a uma organização religiosa (evangélica), e como tal, nem "santos, nem imperadores".
Foi bom aqui recordar, outros tempos, outra disciplina...outro respeito pelos alunos, pelos professores...por todos em geral.
Grande abraço do (finalmente) regressado de férias.

Fallen Angel disse...

Queria deixar um beijinho com amizade e carinho

jo disse...

Que engraçado, não foi preciso muito para me transportar também ao meu primeiro dia de escola que, pelo que me apercebi, foi muito idêntico ao teu, claro, na outra metade do recreio. Magnifica a tua descrição que eu também ficaria a ler se mais tivesses escrito. Um abraço

Laura disse...

Bela lembrança amigo...
Eu andei na escola no Entroncamento e corria o ano de 1958 e a minha escola era a das meninas do lado de lá da ponte da estação dos combóios, e a dos rapazes era a mais de um kilómetro de distância (apre que nem era preciso tanta a distância, credo, cruzes, canhoto) como se mordessemos os ninos...e quantas vezes a caminho de casa encontrava o meu mano mais velho um ano e tal a lutar contra um ou dois e eu magricelas, metia-me no meio deles e dava murros a torto e a direito e punha-se tudo na alheta, ehhhhhh
grandes lembranças, apesar de sair da escola para depois ir para África,Luanda onde fui vizinha do marius e leão verde, so me lembro da leão verde, somos quase da mesma idade, ele mais velho um ano... mas fui danada com a minha stora que me tirou anos de vida...mas, de resto era uma boa stora..
Beijinho da laura..

Anônimo disse...

Torna-se fácil imaginar todo o ambiente que descreveste...quando a escrita é transparente e envolvente...consegui imaginar. Vim ver-te amigo João, ainda que esta João ande um pouco afastada não se esquece...espero que esteja tudo bem contigo, um até breve. Beijo n´oteudoceolhar ***

Mar disse...

´Foram momentos bons né Jam. Qd leio algo nesse sentido, penso que Einstein estava certo. "o tempo é relativo" ou seja, dá para viver o passado no presente. É uma viagem onde se sente até o gosto do lanche que levávamos para escola né?