segunda-feira, 2 de junho de 2008

A caminho...do fim!

A caminho


A matéria encaminha-se para o caos como um rio se dirige para o mar.
Nós, os vivos, somos como pirogas lutando contra a corrente do tempo. Tentando iludir o tempo. Mas ele conhece apenas um caminho, segue sempre pela mesma vertente, aquela que conduz à decadência.

Preservamos a nossa forma destruindo outros seres vivos. A nossa existência resulta sempre duma pilhagem. É que a vida é canibal. A vida devora a vida.

Tudo aquilo que começa tem de acabar, senão de que serviria o tempo? E ao tempo nunca ninguém contrariou. Onde é que se viu um rio subir rumo à fonte ou um pintainho voltar para o seu ovo? O fogo mais devorador acaba sempre por perder o apetite e extinguir-se. A montanha mais alta acaba por se ajoelhar transformando-se numa planície. Mas a vida, essa aí, persiste em contrariar o tempo, surge, desenvolve-se e floresce num mundo onde tudo corre rumo à maior desordem; ela foge à calma e à tranquilidade dos objectos inanimados e avança como um equilibrista que caminha sobre a corda bamba, adiando eternamente o inevitável ajuste de contas.

Fim

Mas não podemos escapar indefinidamente às estocadas do tempo. É proibido. Um dia o meu corpo abandonará a luta e restituirá ao mundo a matéria que me compõe. Esta galáxia de milhares de milhões de átomos, que outrora me formaram, morrerá como morreram as estrelas, semeando a sua matéria pelo espaço. Todos os átomos que vieram dançar em mim irão dançar noutro sítio. Um, dois, três…e lá vão eles. Migrarão para uma árvore, para o farrapo de uma nuvem, para o pelo de uma pulga… E eu deixarei cá a minha canção para que outros a cantem à sua maneira.

(extraído do filme Génesis)

Neste filme o "Mestre" demonstrou que, nesta vida, todos temos um papel a desempenhar mas que também face às leis da natureza somos tão insignificantes, que por vezes basta um sopro, para que desapareçamos da face da terra.
Tudo tem um principio e um fim.

Segundavida

7 comentários:

Magui disse...

Ainda bem.Imagine se ficássemos parados no tempo.

arte por um canudo disse...

O que seria da vida se tudo fosse eterno. Deixaria de ter sentido.O que é pena é que a nossa existência tenha que ser contra a corrente do tempo.Tudo fazemos para andar em sentido contrário, por isso, é que se diz que a vida é canibal.Para nos mantermos destruimos o que nos rodeia, embora saibamos que nascemos do pó e em pó nos transformaremos.Quem paga são sempre os outros que hão-de vir até que tudo acabe.Abraço

Anônimo disse...

Entre o princípio e o fim, existe um tempo, e é nesse tempo que eu quero estar. Sempre soubemos que existe um fim, mas só pensamos nele quando dele nos aproximamos. É a "lei" da vida...façamos dela o melhor possivel, enquanto dura.

Grande abraço.

Luisa disse...

Prefiro não pensar que um dia acabarei...

Pedra da Lua disse...

Olá João! Hoje passei mesmo só para ver se continuava a lançar os seus fantásticos textos, ainda bem que sim. Quando me for permitido voltarei com mais tempo e comento convenientemente, até lá deixo um beijinho.

bitu disse...

Bem retratada a fugacidade da vida.
Beijocas e boa semana

mary90 disse...

Olá João.
A vida é o que temos de bom, mas ela pode ser feliz ou amargurada.
Nós lutamos muito durante anos para atingir os nossos objectivos, depois partimos e cá fica tudo(alguns pensam que levam tudo), é triste mas eu penso que existem outras vidas senão nada valia a pena.
Por isso enquanto cá andamos devemos aproveitar bem o nosso tempo e tentar ser e fazer os outros felizes.
Um abraço.