quarta-feira, 5 de março de 2008

Este país não é para velhos


Na última semana estreou nas nossas salas de cinema o filme, o título intrigava-me e eu então fui ver. Arrecadara quatro estatuetas douradas, só por isso recomendava-se. Nos anos oitenta, uma sangrenta luta pela posse de um malote cheiinho de dinheiro deixada num fracassado negócio de droga e “aproveitada” por um caçador de prémios. Crime, acção e sangue a rodos, o desempenho do Javier Bardem é fantástico, que encarna um psicótico e perigoso assassino o qual jogava a vida das suas vítimas num simples gesto de moeda ao ar, pois não podia deixar o malote em mãos alheias.

A sua interpretação valeu-lhe o prémio para o melhor actor secundário, que foi bem entregue, já sobre a melhor realização, os irmãos Coen também mereceram a distinção, agora quanto ao melhor filme, na minha opinião, não foi bem atribuído, pois o derramar gratuito de tanto sangue não pode ser notabilizado.

Neste filme também temos um Xerife, interpretado por Tommy Lee Jones, que se decide mais por apoiar psicologicamente os fracos, que na realidade nenhuma culpa têm, do que apanhar o infalível e terrível assassino. Os tempos apresentavam-se-lhe de mudança, descambavam para uma criminalidade cada vez mais cruel, a idade começava já a pesar e descobriu que “Este país não é para velhos”, não tinha mais argumentos para tal cenário.

Curiosamente foi também nesta semana que o nosso país foi grassado por uma série de crimes violentos. Dizem que andamos atrasados em relação às grandes potências, neste panorama apetecia dizer “ainda bem”, precisamos de progresso mas no que toca à criminalidade violenta, bem pode por lá ficar. Parece que os vinte e tais anos estão ultrapassados, esperemos que neste país os novos enveredem por bons caminhos e os velhos nunca percam a vontade de lutar. Para isso cabe um papel importantíssimo aos nossos governantes, pois para se trabalhar no combate ao crime, que é uma missão bastante espinhosa, são necessários meios, motivação e reconhecimento.

Segundavida

4 comentários:

arte por um canudo 2 disse...

Uma lição que os governantes deviam aprender. Também devemos estar vigilantes e ajudar na prevenção.

padeiradealjubarrota disse...

Não podemos parar de lutar. E no que respeita à segurança e saúde, muito mais.

Anônimo disse...

Relativamente ao filme, confesso que ainda não fui ver. E quanto à nossa realidade...mais vale prevenir que remediar, para que este País não se torne numa história aos quadradinhos, onde os maus ganham sempre .

Mar disse...

O título do filme é esse mesmo?
-Sabe guerreiro, pena que tem tanto filme de violência em ciruclação. Nossa, assisto alguns filmes que valem mais que uma sala de aula. Sentimos que aumenta a violência depois que filmes violentos são apresentados nos cinemas. Uma coisa gera a outra... é um caos sem fim.